domingo, 26 de fevereiro de 2017

E não é que...

hoje de manhã no café, um miúdo vestido de Sandokan, com duas espadas, partiu uma e dirigiu-se ao pai que estava a tomar café:
- Papá, a espada partiu...
Ao que o pai respondeu com alguma agressividade:
- Pára de ser violento!

Conclusão: no próximo ano, com sorte, o miúdo irá vestido de ananás.
:)

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

Touché!

"A impunidade concedida aos senhores que, oficial ou oficiosamente, nos tutelam não nasceu por milagre: é o resultado inevitável de uma longa história de subserviência. Se há coisa que os portugueses fazem ainda melhor do que resmungar é obedecer. Pior, fazem-no sem desconforto aparente. E depois queixam-se. E depois obedecem."


Alberto Gonçalves, Revista Sábado 

E hoje é...


Tantos excelentes eram difíceis: excelente música, ex... letra, vídeo, voz, cantora, melodia, arranjos, etc...
Aquele fado velho, melancólico, poeirento, de certa forma doentio a que fui habituado torna-se, com Ana Moura, fresco, moderno, perspicaz, acutilante. Gosto muito.

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

Só duas páginas e já tanto para pensar

"Na infância aprendemos por curiosidade, uma curiosidade inata que nos acompanha ao longo da vida mas que muitos colocam de lado quando crescem. (...) Devia ser obrigatório para todos os que querem ser professores estimularem essa curiosidade diariamente. Não há dúvida de que devemos espicaçar essa curiosidade. mas também tornarmo-nos uma pessoa curiosa, desejosa de aprender com tudo o que nos rodeia. Um professor não se forma apenas nos cursos homologados por não se sabe quem. Um professor, ou uma professora, devem ter dentro de si um motor de busca, repleto de perguntas: porquê, como, onde, quanto?. . ."

César Bona, A Nova Educação

Em casa pugno por isto!

"Subestimamos constantemente as crianças. Elas fazem coisas incríveis se lhas propusemos. (...) E, além disso, têm uma imaginação prodigiosa, são capazes de ver o que as rodeia de maneira diferente se conseguirmos libertá-las das muitas regras que se impõem nas escolas."

César Bona, A Nova Educação.

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

Arte

Depois de ter ido ao teatro na semana passada, andei alguns dias a pensar na definição e dimensão da palavra Arte. A peça era muito má. Contudo, no final da mesma, alguns espectadores aplaudiram de pé a performance dos actores. Eu não saí da sala por vergonha. 
Se tinha algumas certezas, depois de pensar sobre o assunto, fiquei só com dúvidas. 

Exemplificando: 







Eu conseguiria fazer algo semelhante/melhor/muito melhor em três dos cinco exemplos e não sou artista. E você?

domingo, 12 de fevereiro de 2017

Não fazia a mínima ideia

Alguma empresas recorrem à grafologia para vetar eventuais funcionários uma vez que ela poderá revelar pistas sobre a condição física e mental de quem escreve.

sábado, 11 de fevereiro de 2017

Já passaram alguns dias...

Mas ainda me estou a rir, para não chorar.

"Se o estado não arquiva nem acusa, acuso eu."

José Sócrates 

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

Dicotomias

O silêncio pode ser ensurdecedor.
A loucura pode ser saudável.
A cura pode estar na dor.  
O forte pode ser vulnerável. 

A riqueza pode ser pobreza.
O abismo por ser o céu.
A alegria pode ser tristeza.
O inocente pode ser réu.

O caminho pode ser passado.
Uma cruz pode ser amuleto.
Um ditado pode estar errado.
O branco pode ser preto.

A vida pode ser sorte.
Uma arma pode ser segurança.
O remédio pode ser morte.
O amor pode ser lembrança.


terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

Dilemas morais a caminho...

A Mercedes anunciou que, no que se refere a carros autónomos, em caso de acidente, protegerá sempre a vida dos passageiros em detrimento de outros utentes da via.

E se o condutor for um octogenário e no meio da via estiver uma criança?

sábado, 4 de fevereiro de 2017

No seguimento da mensagem anterior

Reza a lenda que uma diretora de turma de uma escola se queixou ao encarregado de educação de um aluno no âmbito dos constantes palavrões proferidos pelo seu rebento.
Ao que consta, a mesma lenda refere que o senhor afirmou alto e bom som: "aí o filho da puta!".

Que bom ler Alberto Gonçalves!!!

"O vilão Plano Nacional de Loucura(leitura)
Descobriu-se que um livro recomendado pelo ministério às crianças do 8° Ano incluí doses generosas de “rachas”, “cus”, “pilas” e “putas”. Seguiu-se a típica indignação. Ninguém se indigna pela obra em causa ser uma provável porcaria. Ou pela imensa lista de recomendações conter 19 (!) produtos de José Fanha, 10 de Manuel Alegre, 9 da antiga comissária do PNL e 5 de Isabel Allende. Ou pelo facto de uma aberração como o PNL sequer existir. Para cúmulo, a inclusão do livro citado deveu-se, cito, a “lapso informático”. O resto é de propósito."

Revista Sábado

Como diz o povo, das duas três: ou alguém não leu o livro ou o livro é bom (aqui discordo do autor da citação porque, até prova em contrário, prefiro ver as coisas pelo lado positivo) embora contenha um pouco de vernáculo que, diga-se, se ouve todos os dias nos recreios das nossas escolas e, por vezes, dentro das próprias salas de aula... As palavras citadas são "peanuts" para alguns alunos. Alguns educadores se fossem moscas teriam belas surpresas, ou não...

Erro informático é que não.

P.S. Valter Hugo-Mãe não tem culpa nenhuma da polémica e é, sem dúvida, um dos melhores escritores da língua portuguesa. 

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

O país das cunhas

"Se o meu pai fosse primeiro ministro eu era secretário de estado. Como é trolha eu sou servente."

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2017