segunda-feira, 14 de agosto de 2017

Corrupção da Realidade

"Conheci há uns anos um professor romeno que me contou duas ou três obscenidades sobre a ditadura do camarada Ceausescu. Dizia ele que o problema do regime não estava apenas na violência explícita. Estava na “corrupção da realidade” - uma forma de faIsificar o senso comum, apresentando como normais situações absolutamente anormais.
(...)
Portugal passa por um processo semelhante. Não somos uma ditadura, mas todos os dias a anormalidade é apresentada como uma nova normalidade."

João Pereira Coutinho, Sábado

sexta-feira, 11 de agosto de 2017

É isto!

"Professô Rolando • há 2 dias

O professor actual é o equivalente a um a Animador Sociocultural, um artista circense, um palhaço, um fiel de armazém, ou seja, é alguém para tomar conta deles.

A escola passou a ser um depósito de crianças para que os pais possam trabalhar. Para ser professor serve um individuo qualquer desde que tome conta deles.

Depois pede-se a estes "entertainer" para preencherem umas plataformas e fazerem uns relatórios e umas atas e pronto é isto "Ser Professor".

Mas a malta julga-se gente importante - uns setôres - e no fim de contas são é uns valentes tristes."

Como "store", não podia estar mais de acordo! Acrescentaria à primeira frase as profissões de domador e entertainer. 

No seguimento da mensagem anterior

Na semana passada, o realizador do jogo entre o Guimarães e o Benfica decidiu colocar no ar uma adepta encarnada, enfatizando alguns atributos. 


Depois disto, as redes sociais incendiaram-se contra o realizador, conta a adepta, contra o sexismo, contra o escravatura, contra o apartheid, contra a Coreia do Norte e contra os tocadores de Clarinete. 


Obrigado a todos por me darem, todos os dias, motivos para sorrir. 

sexta-feira, 28 de julho de 2017

Há muitos

Bem escrito

"Creio que, numa relação, o beijo terá sempre de manter a densidade do primeiro, a história de uma vida, todos os pores-do-sol, todas as palavras murmuradas no escuro, toda a certeza do amor. Mas já não é assim. Agora sabem às vacinas que tínhamos de dar à cadela (já morreu), às conversas com o director da escola, à loiça por lavar, à lâmpada que falta mudar, às infiltrações no tecto, às reuniões de condóminos. Toco levemente os lábios dela e sabe-me à rotina, às Finanças, ao barulho da máquina de lavar roupa. Beijamo-nos como quem faz a cama."

Flores, Afonso Cruz

quinta-feira, 27 de julho de 2017

Está tudo doido?

"A MEO não vai cobrar as mensalidades, nem as penalizações, aos herdeiros dos clientes que faleceram no incêndio de Pedrógão Grande. E durante três meses também não cobrará aos clientes que viram as suas casas destruídas ou afectadas."

Expresso

Parafraseando Avelino Ferreira Torres, era uma "filha da putice" se o fizesse. 
Começo a ficar cansado de, em Portugal, se parabenizar/agradecer a pessoas ou instituições só porque fazem o que deve ser feito. 


Governo Portugal

Antes de Pedrógão


Depois de Pedrógão


Costa/Centeno


Ministra Administração Interna


Marcelo


Oposição





O que é um português qualquer normal?

"Quem tem de aplicar as leis são as autoridades e quem prevarica, evidentemente, tem de ser punido, seja cigano, seja muçulmano, seja um português qualquer normal."

Marques Mendes, SIC

Será o doutor Marques Mendes um português qualquer normal?




14 milhões não compram um iatezito (pequenito)?

O presente de 14 milhões de Ricardo Salgado "’Liberalidade’. Foi com esta expressão jurídica que o banqueiro justificou, no Banco de Portugal e no DCIAP, ter recebido, não 8,5 mas um total de 14 milhões de euros do construtor. Em causa estava "um acto de carácter espontâneo e a título gratuito que venha a favorecer ou a beneficiar economicamente alguém". Resumindo, uma oferta em dinheiro.

Jornal de Negócios

"Na primeira vez que foram a minha casa vinham à procura dos iates, em Monte Carlo. Não há iates, nunca houve. Ah, e não há castelos na Escócia."

Sábado

Mais uma mensagem da rubrica: e o burro sou eu!




Voto Nulo

Fazer política, com acusações mútuas sobre os incêndios (PS vs PSD), em particular o de Pedrógão, em vez de identificarem as suas causas e implementarem, ontem, medidas para não voltar a acontecer, diz tudo sobre o actual estado da política portuguesa. Mea Culpa porque votei num deles.

quarta-feira, 26 de julho de 2017

Se isto é um Primeiro-Ministro

"Porque é que Costa teve medo de revelar os nomes das 64 (que podem ser 66) vítimas de Pedrógão? Talvez porque tem responsabilidade em muitas medidas e nomeações indissociáveis da tragédia que vivemos."

José Manuel Fernandes, Observador

Todo o artigo aqui.

Both

"O que é mais assustador? A ideia de extraterrestres e mundos estranhos, ou a ideia de que, em todo este imenso universo, nós estamos sozinhos?"

Carl Eduard Sagan

Pinar? Até aos 49...

"A Maternidade Alfredo da Costa recorreu para o Supremo, em dezembro de 2013, da condenação de pagar 172.000 euros por negligência médica cometida durante a cirurgia realizada em 1995, que deixou a mulher com lesões irreversíveis e uma incapacidade permanente de 73%, tendo o STA decidido reduzir o valor em cerca de 60.000 euros, justificando a decisão com o argumento de que a sexualidade não é tão importante para uma mulher de 50 anos e com dois filhos como para alguém mais novo."

“Como ela [vítima] já tinha mais de 50 anos à data em que foi operada, o STA entendeu que a sexualidade a partir dos 50 anos não tinha a mesma relevância que teria se ela fosse mais nova. Ela foi discriminada [pelo STA] pelo facto de ser mulher e por ter a idade que tem”, explicou à agência Lusa o advogado da vítima."

Sapo Notícias

Menina bonita

A nova coqueluche da Política Portuguesa, Mariana Mortágua, defende num artigo de opinião no JN que - passo a citar - "A especialização no turismo massificado é um erro que pagaremos muito caro no futuro".

Não sei qual será o malabarismo político que fará quando, chegadas as eleições, o governo que ela apoia, apresentar número económicos muito sustentados no BICHO PAPÃO Turismo. Será que na política também se adequa a máxima do futebol: o que hoje é verdade amanhã é mentira?

Mais à frente, no mesmo artigo, afirma: "Boa gestão política requer, às vezes, precisamente o contrário: encontrar mecanismos inteligentes para refrear as bolhas que insuflam, com a responsabilidade de sabermos que um dia rebentação."

What???


terça-feira, 25 de julho de 2017

Deputados Poetas

Romário, jogador de futebol, afirmou um dia que o seu colega de profissão Pelé "calado era um poeta". 
Cá no burgo, o Observador constatou que "no último ano de sessão legislativa, houve dez deputados de quem não se ouviu perguntas ou intervenções nas sessões plenárias da Assembleia da República."
Sendo assim, só tenho a lamentar as críticas a que estes deputados foram sujeitos na última semana. Para mim, a explicação é simples: além de não terem nada de jeito para dizer, estes deputados como viram que o Manuel Alegre esfolou umas notas (cem mil euros) com o prémio Camões, querem-lhe tirar o lugar.

domingo, 23 de julho de 2017

Velhos Contorcionistas

Segundo o JN, a prostituição voltou à berma da estrada. Um dos motivos invocados para a mudança de paradigma - "c. d. p." versus estrada -  é o facto de, na estrada, ficar mais barato o seu exercício embora não esclareça para quem: utentes, prestadoras/prestadores (não quero ser acusado de homofobia pelo BE) de serviços, chulos.

Posto isto, além de exercitar as minhas qualidades enquanto contorcionista, eu que adoro este tipo de casas, vou ter de voltar à estrada...

Não estava tudo cheio de merda?

Para nunca mais mentir...

Dedicado a todos os políticos e banqueiros portugueses.

Ornatos Violeta

sexta-feira, 21 de julho de 2017

Prazo de Validade Esgotadíssimo

"Ganhei o direito de poder estar no futuro do PSD."

Luís Montenegro, Expresso

"Só por modéstia é que diz que ganhou estatuto para ter futuro no PSD, ele tem mais do que futuro no PSD", afirmou o presidente do partido, numa nota pessoal que admitiu ser rara em si por gostar "muito de controlar as emoções".

Pedro Passos Coelho, JN


Comunidades

Vivem de subsídios ou de negócios mais ou menos duvidosos em feiras onde, entre outras coisas, vendem produtos contrafeitos sem pagar um único cêntimo de imposto ao estado ... 
Educam os filhos na mendicidade, vendendo pensos rápidos ou usando animais de estimação como cobaias, tanto para fins recreativos, como para arrastamento de veículos de duas rodas...
Fazem casamentos por conveniência, obrigando adolescentes a casar aos 12, 13 e 14 anos, não lhes dando oportunidade de frequentar a escola, nem de acabar o ensino regular...
Tratam as mulheres como adereços...
Exibem colares e pulseiras de ouro, roupas escuras, cabelos grandes e barbas mal-aparadas... 
Rejeitam a higiene, tanto íntima como das casas onde habitam, normalmente em bairros sociais com rendas baixas - ainda assim por pagar -, transformando essas habitações em autênticas barracas...
Falam com os restantes cidadãos de cima de um pedestal de "estoumecagandismo" total, não se coibindo de - experiência pessoal - tentar enganar, aldrabar, mentir e dissimular situações, contextos e relações pessoais no sentido de manter o seu "status"...

Se está a pensar numa comunidade em especial ou é tão preconceituoso e homofóbico como eu, ou é um normal cidadão observador da realidade nua e crua, com algum espírito crítico. 
Se não pensou em nenhuma comunidade em especial, nem a identificou imediatamente, parabéns!, vive num mundo cor-de-rosa e é militante do Bloco de Esquerda.



As famosas conquistas de Abril

Consórcio não paga penalizações por radares que não funcionam

"Se penalizações previstas no contrato fossem aplicadas, o consórcio devia mais de um milhão de euros. ANSR assume culpa da derrapagem apesar de o contrato obrigar os privados a cumprir os prazos."

Público

Versus

Quando as multas de trânsito surgem de todo o lado

"Luís recebeu “oito ou nove” no mesmo dia, Lourenço acumulou “mais de 40”, Francisco foi surpreendido à porta de casa e Lígia não só teve de pagar como acabou detida na autoestrada. Viagem à fronteira entre prevenção rodoviária e caça à multa."

Visão


quarta-feira, 19 de julho de 2017

Ana Gomes, onde andas tu?

"Portugal é o único país da UE a rejeitar sanções à Venezuela. Dos 28 estados-membro, só Portugal rejeita a hipótese de aplicar sanções à Venezuela caso Maduro avance com a convocação de uma assembleia constituinte."

Terá sido uma troca de favores entre PS e PCP com a aproximação do orçamento de estado?

terça-feira, 18 de julho de 2017

Quantos milhões vale uma mãe?

"Questionado sobre a possibilidade de um homem solteiro ter filhos recorrendo a barrigas de aluguer, como terá acontecido no caso de Cristiano Ronaldo, Gentil Martins, de 87 anos, foi peremptório: “Considero um crime grave. O Ronaldo é um excelente atleta, tem imenso mérito mas é um estupor moral, não pode ser exemplo para ninguém”. O médico considera que “toda a criança tem direito a ter mãe” e acusou a mãe do jogador, Dolores Aveiro, de não ter dado “educação nenhuma” ao filho."

Jornal Público

Não é certo que os filhos de Ronaldo venham a necessitar de uma mãe. O ser humano, muitas vezes, só sente falta de coisas que já teve ou, pelo contrário, não dá valor às coisas que tem. É estranho mas é assim mesmo. 
Desta forma, os "Ronaldinhos" e as "Ronaldetes" poderão sentir necessidade de uma mãe, momentaneamente, em certas alturas da vida mas nunca sentirão verdadeiramente a sua falta porque nunca a irão ter sendo que, por esse mesmo motivo, não vão perceber a sua importância. Não percebendo a sua importância... Bola de neve, já percebi. 
O pai, rico, vai explicar-lhes que uma mãe implicaria uma pensão de alimentos, custódia partilhada, responsabilidades divididas e que isso poderia ter custos elevados, sentimentais e principalmente... monetários, claro!
O futuro a Deus pertence. Cá estarei para perceber se os filhos do craque Português serão bem resolvidos sem mãe e, em caso afirmativo, dar o braço a torcer.
Da minha parte, não trocava os milhões do Ronaldo - que devem ser muitos - pela minha. Uma mãe, mãe, não tem preço.

Mundo cão

Na semana passada, uma adolescente de 13 anos quase se afogou numa piscina municipal quando, alegadamente, brincava com os amigos no sentido de apurarem quem conseguia aguentar mais tempo sem respirar debaixo de água.

Apesar da brincadeira estúpida, testemunhas oculares do concurso afirmaram  que ela ganhou, não dando hipótese aos adversários.


segunda-feira, 17 de julho de 2017

Os bois pelos nomes

"O cirurgião pediátrico e antigo bastonário da Ordem dos Médicos, António Gentil Martins, admitiu ser contra a homossexualidade (casamento e adopção incluídos), considerando tratar-se de “uma anomalia, um desvio da personalidade”. 
Na entrevista dada ao Expresso, publicada neste sábado e pontuada por declarações que estão a gerar polémica, Gentil Martins diz também ser contra o aborto e a eutanásia, considerando ainda que Cristiano Ronaldo é um “estupor moral”."

Jornal Público

Concordo com... tudo!


domingo, 16 de julho de 2017

Demência

Os fantasmas da alma são criações minhas!
São espelhos redondos com dúzias de linhas
São pássaros brancos que enchem a mente
São lírios acesos nas almas da gente

São traços ardentes turbando a visão
São rios de lava dentro do coração
São pregos cravados no alto da cruz
São bichos nocturnos que cegam à luz

São medos cuspidos da voz do cantor
São traços a cinza na mão do pintor
São chagas no céu que o inferno nos traz
São sombras intensas na caverna onde estás

São murros no estômago são pó são algemas
São traumas profundos violentos dilemas
São ervas daninhas em lugar de vinhas:
Os fantasmas da alma são criações minhas!

sexta-feira, 14 de julho de 2017

Muito come o tolo... mas mais tolo é quem lho dá.

Este provérbio vem a propósito da expressão  "Ladies and gentlemen", ou senhoras e senhores, típica de saudação em vários locais, que vai deixar de ser usada no metro de Londres, sendo substituída por expressões mais neutras em termos de género.

"Hello, everyone" (olá a todos) será a partir de agora a forma de cumprimento generalizada no metro londrino, conforme noticia o New York Times.

Apesar dos insultos que li nas redes sociais à comunidade LGBT por defender a alteração, alegando que a expressão senhoras e senhores não inclui toda a gente, eu percebo-a e aprovo. Estou com a comunidade. 

As pessoas, mal-intencionadas, não percebem que no metro podem viajar animais, como cães-guia, e estes não estavam incluídos na saudação. Haja paciência para tanto preconceito.

quinta-feira, 13 de julho de 2017

Só rir... Estes políticos põem em causa o emprego dos humoristas

"Ser filho de Mário Soares prejudicou-me imenso na política."

João Soares

"Diziam que eu tinha talento para Guarda-Redes de futebol."

Luís Marques Mendes


Tá certo!

Os bandidos, ladrões, vigaristas, agiotas, mercenários compram aviões para viajar, hotéis e resorts para passar férias, casas para estudar, coleções de arte para massajar o ego, carros de luxo para passear, bancos para roubar, jornais para manipular.

O juiz responsável pelos casos de corrupção onde - os de cima - estão envolvidos, viaja para a Madeira num voo regular em classe económica.

O povo acha muito bem, vendo nesta atitude um exemplo: porque ele até viajou no lugar 21E.

Perderia muito tempo a explicar as razões que me levam a estar contra estas decisões. Os que, como eu, não vêem novelas na TV, já lá chagaram.

terça-feira, 11 de julho de 2017

Nunca tinha pensado nisto...

"A condição frágil e mortal do ser humano movimenta a indústria dos seguros, as forças armadas, a medicina, os mecanismos de segurança dos aparelhos, os filmes de Hollywood, enfim, é responsável direta ou indiretamente por mais de dois terços do PIB mundial."

Augusto Cury, O Homem mais Inteligente da História

segunda-feira, 10 de julho de 2017

Há um ano...

"Vou ficar cá muito tempo, só vou dia 11 para Portugal e vou ser recebido em festa."

Fernando Santos


Genial

É muito frequente, nos mais variados campos como a poesia, o teatro, o desporto, a fotografia, a pintura, entre outros, sentir inveja de alguma coisa ou algo que alguém fez/pensou/idealizou, nomeadamente quando, na minha óptica, é algo bem conseguido, fora da caixa, inesperado, inesquecível, genial.
O cartaz em baixo, na área da publicidade, é um bom exemplo disso mesmo. Os outros cartazes da campanha são, igualmente, fantásticos.
Parabéns ao autor e à marca!




domingo, 9 de julho de 2017

Difícil...

"Precisamos, como disse um poeta, de ter paciência com tudo o que está por resolver nos nossos corações, de tentar amar as perguntas como se fossem livros escritos numa língua desconhecida, abraçar a inquietação como o território onde a nossa vida se desmultiplicará para, um dia, se unir em torno de uma resposta, à semelhança de uma família novamente reunida."

João Tordo, O deslumbre de Cecília Fluss

sexta-feira, 7 de julho de 2017

Luta Fratricida de... bruxos!


Se ambos se descredibilizam, como podem continuar a sua actividade profissional?
Perguntem aos clientes. 

Depois de Anãs Prostitutas e Stripers Anões, chegam os Anões Amuleto!

No seguimento das acusações do FCP ao SLB de feitiços e bruxarias, foram chamados para entrevista duas personalidades relevantíssimas em assuntos do além: o bruxo de Fafe e o Mestre Alves.

O primeiro não acerta uma. O segundo, além de não acertar uma, tem piada.

Já tinha ouvido falar em anãs Prostitutas, metidas dentro de malas; Anões Stripers, grande moda na capital nas despedidas de solteira; De anões Amuleto é a primeira vez.






quarta-feira, 5 de julho de 2017

Um robalo para a mesa 44

No país das maravilhas, os negócios ruinosos de atribuição de crédito na CGD ficaram sem culpados.

O apuramento dos factos "doa a quem doer" do Presidente da República é cirúrgico.

Mais um capítulo das famosas conquistas de abril.

Arrábida

terça-feira, 4 de julho de 2017

Será que o conselheiro e o presidente só falam de assuntos culturais?

Em caso de catástrofe, a cláusula 17 retira todas as responsabilidades a um sistema criado para  ser usado em catástrofes, como: “actos de guerra ou subversão, hostilidades ou invasão, rebelião, terrorismo ou epidemias, raios, explosões, graves inundações, ciclones, tremores de terra e outros cataclismos naturais que directamente afectem as actividades objecto do contrato."

Como é que um serviço de emergência, não pode ser responsabilizado em situações de emergência? - pergunta Pedro Mexia, Conselheiro do Presidente da República para assuntos Culturais, no programa Governo Sombra. 


Bem-vindos à República Portuguesa

"Orçamento da Defesa para 2017: 2149 milhões de euros. Será que não dava para arranjar uns trocos para pôr a funcionar o sistema de videovigilância de um armazém com explosivos potentíssimos e lança-granadas capazes de abater helicópteros? O supermercado da minha rua tem videovigilância para ver se não roubam agriões e latas de salsichas. O Bairro Alto tem videovigilância para ver turistas ébrios a vomitar nas esquinas. Mas um paiol do Exército contendo armamento capaz de demolir um prédio e matar milhares de pessoas não tem a dignidade de um bêbado nem de uma salsicha tipo Frankfurt. Bem-vindos à República Portuguesa."

João Miguel Tavares, Público


“Estamos metidos num grande sarilho”

Mais desta casta, e a coisa corria bem melhor.


Haters

Não me importo que me julguem estúpido. Passo-me quando começam a acreditar nisso.

domingo, 2 de julho de 2017

O que é que ele fumou?

O Passos Coelho estava na plateia.  Isso explica muita coisa mas não explica tudo. Mais um vídeo para a rubrica: sem comentários.


sábado, 1 de julho de 2017

Eu não digo... Bronca!


Faz sentido 3!

Aos que me acusam de não saber o que é viver sem liberdade respondo com bonomia. Amigo(a), a liberdade está cara, muito cara, caríssima. Na semana passada, a liberdade teve um custo de 64 vidas. Uma vida não tem preço. 

O que fizemos com a nossa liberdade? Como a usamos? Foi esta liberdade que os militares sonharam quando invadiram Lisboa?

Não me parece... pelo menos posso mandar umas postas de pescada aqui no Blog enquanto outros se governam: é um fartar vilanagem!



Faz sentido 2!

"Os portugueses têm tendência para amnistiar os políticos e tolerar o fenómeno da corrupção, optando por não fazer punição eleitoral, sobretudo a nível local, asseguram investigadores.

Esse padrão de comportamento poderá ajudar a explicar por que razão 25 antigos autarcas voltam, este ano, a recandidatar-se às eleições de 1 de outubro, depois de vários estudos terem demonstrado que "a longevidade com que grande parte dos presidentes permaneceu no cargo potenciou casos de clientelismo, falta de transparência e corrupção" e em "nada beneficiou o exercício democrático"."

Jornal de Notícias

Está explicado por que razão não se investe em educação em Portugal. Não era no tempo do Salazar que não era necessária grande instrução? 




--- As famosas conquistas de Abril ---

Faz sentido!

Agora que houve um concerto solidário, onde o dinheiro angariado foi entregue à "União das Misericórdias Portugueses", a Santa Casa inicia negociações para entrar no Montepio (um banco, alegadamente, falido). Podia dizer muita coisa sobre o assunto, mas não vale a pena. Palavras para quê?



"A Santa Casa da Misericórdia de Lisboa e a Montepio Geral Associação Mutualista assinaram um memorando de entendimento que possibilita a participação da instituição liderada por Pedro Santana Lopes no capital do banco da associação. "O memorando agora assinado contempla a possibilidade de uma participação da SCML na Caixa Económica Montepio Geral, abrindo o caminho para a participação de outras instituições" no capital do banco, lê-se num comunicado divulgado esta sexta-feira pelo Montepio."

Revista Sábado

--- As famosas conquistas de Abril ---

Ah... Ok... Peço desculpa pelo hipócrita... Afinal o semblante de sofrimento era do carro!

"O carro particular da ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa, foi assaltado quando estava estacionado perto da casa de uma pessoa próxima da governante, em Cascais, tendo sido furtados alguns objetos. O crime ocorreu de 17 para 18 de junho, após a titular da pasta da segurança interna ter optado por deixar a viatura naquele local quando se deslocou de urgência para Pedrógão Grande devido aos incêndios."

Correio da Manhã


quinta-feira, 29 de junho de 2017

Uma abraço ao Alberto

"Em nações menos exóticas, haveria quem expusesse o talento do dr. Costa, de certos amigos do dr. Costa e de outras personalidades admiráveis no “investimento” de milhões em comunicações que não comunicam e em helicópteros que não descolam. E quem fosse directa ou indirectamente responsabilizado pelas famílias encurraladas e carbonizadas em plena estrada, que se apelida “da morte” para efeito “dramático”. E quem denunciasse as mentiras cometidas por figuras ditas de relevo a partir do ponto em que a quantidade de cadáveres era demasiada para continuar a adiar a divulgação. E quem, acima dos estropícios que entopem a Administração Interna, explicasse em língua de gente a recusa dos bombeiros galegos. E quem lembrasse que é tão fácil quanto inútil ganhar campeonatos de futebol, festivais de cantigas e incumbências na ONU: difícil é ganhar vergonha na cara.

Nações menos infantis não descansariam até varrer os demagogos que celebram glórias imaginárias e fintam as desgraças autênticas. Portugal, não. Portugal respeita os mortos, leia-se espera que os vivos não perturbem a “estabilidade”. Portugal observa prioridades, leia-se deixa arrefecer o assunto. Portugal não cede à baixa política, leia-se permite a impunidade geral. Portugal está unido, leia-se criou-se um ambiente hostil a questões desagradáveis. Portugal, repete-se, é uma nação muito forte, leia-se um recreio de oportunistas, desnorteados ao primeiro assomo da realidade.

Sobra uma lição, que a “nação muito antiga” teima em não aprender. Em Pedrógão Grande, o Estado falhou no solitário papel que lhe devia caber: proteger fisicamente os cidadãos. Logo o Estado, de que os portugueses esperam tudo e, no momento que importa, obtêm nada. Não é coincidência."

Todo o artigo aqui.

Alberto Gonçalves, Observador

caos

1. Confusão dos elementos antes da criação do universo.
2. [Figurado]  Confusão.
3. Desordem.
4. Perturbação.

Dicionário Priberam da Língua Portuguesa

A teoria do caos está muito presente no dia-a-dia dos portugueses. Em todo o lado, a arraia miúda discute e propõe formas de melhorar o país nos mais diversos sectores de actividade, incidindo particularmente em formas de desburocratizar instituições e organismos. A pergunta-conclusão é sempre a mesma: mas eles (políticos) não vêem isto? 
Uma novidade: vêem. Por incrível que pareça, as pessoas que ocupam esses cargos, salvo raras excepções, são qualificadas e inteligentes o suficiente para perceber as idiossincrasias do país onde nasceram, viveram e que, de certeza, conhecem melhor do que qualquer cidadão comum. 
O problema é que o caos dá-lhes jeito. Com a organização instalada, ou a falta dela, podem fazer as suas negociatas, os seus esquemas, as suas tramóias: corrupção. Como diz um amigo meu, estão mais perto de "ganhar o belo".
Tomando como exemplo o recente incêndio em Pedrógão, se fosse tudo organizado não teria havido incêndio ou, pelo menos, não seria tão grave; se não houvesse incêndio não teriam trabalhado os helicópteros e aviões: dos amigos; não precisaríamos de um sistema (SIRESP) que não funcionou mas que foi comprado: aos amigos; não se faria um concurso para a aquisição das viaturas dos bombeiros que arderam que vão ser vendidas, adivinhem, pelos amigos; não seria preciso reflorestar a floresta pelas empresas dos amigos; as telecomunicações e a electricidade não seriam repostas pelas empresas dos amigos, que já foram vendidas a preço de amigo e que têm de justificar as gratificações que deram aos amigos; não eram constituídas comissões que vão analisar no terreno o que se passou, com pessoas que irão ser pagas a peso de ouro, pessoas que são: os amigos. Telejornais, Directos das Televisões, Concertos Solidários, Linhas de Apoio, Comissões Parlamentares não teriam existido. 
Resumindo: as vidas humanas pouco importam, para a generalidade dos políticos o que interessam são os interesses dos amigos. Por isso, a minha revolta...
Ainda pensei que os artistas que participaram no concerto solidário, com o tempo de antena que tiveram, falassem sobre estes assuntos, botassem a boca no trombone, que os desmascarassem, que dissessem alto e bom som que nunca mais pode acontecer uma situações destas, que vidas humanas não têm preço, mas, se calhar, também são amigos... 

N.B. Não falarei mais sobre este assunto.
N.B(1). O PCP e o Bloco de Esquerda ainda existem?
N.B(2). A comissão constituída para apurar responsabilidades nada irá concluir.

Cárcere

Não durmo cansado, é irónico
Não fujo do cárcere, é icónico
Não sofro com dor, é tramado
Persigo o futuro do passado

Sem vida não vivo, é concreto
Sem chama não amo, está correto
Sem luz não levanto, um cabelo
Sou mais lambuzado do que um selo

Ninguém na vanguarda, é perigoso
Ninguém faz de mim, temeroso
Ninguém me mapeia, o destino
Sou um anjo ou sou um cretino

Não faço a pergunta correta
Sem ela não alcanço a meta
Ninguém me vai dar a razão
A resposta está no meu coração


terça-feira, 27 de junho de 2017

SIRESP - A Vergonha das Vergonhas

"O BPN foi nacionalizado em Setembro de 2008 – em plena crise financeira internacional – e arrasta-se pelos tribunais desde então. A SLN foi repartida numa parte “boa” (vendida à Galilei) e uma “má” (gerida pelo Estado). Mais tarde, em 2014, foi a vez do Grupo Espírito Santo se esfumar em inquéritos, políticos e judiciais. A PT valia nos últimos dias, antes de ser comprada pela francesa Altice, cinco vezes menos do que quando fora privatizada pela primeira vez.

Do consórcio que fez a parceria público-privada com o Estado, no SIRESP, só a Motorola e a Datacomp sobreviveram a estes 11 anos que mudaram muita coisa, mas aparentemente não trouxeram os benefícios da tal “revolução” anunciada no combate aos incêndios, através de uma comunicação mais eficaz entre as forças que trabalham no terreno. Mas isso será esclarecido quando o inquérito pedido pelo primeiro-ministro mostrar os seus resultados."

Jornal Público

Nesta PPP temos o Dream Team das empresas vigaristas: BPN, SLN, BES e PT. 
O sistema não funcionou e morreram 64 pessoas, vidas que poderiam e deveriam ter sido salvas com um melhor sistema, talvez mais barato... Mas como alguém tinha de ganhar dinheiro, comprou-se e pagou-se milhões (meio submarino) por um sistema que não presta.
Aposto que o relatório dos acontecimentos não vai culpar ninguém. A culpa, mais uma vez, vai morrer solteira. A ministra não se demite porque tem confiança política do primeiro ministro. O primeiro ministro faz perguntas em vez de dar respostas. Os últimos dois ministros da Agricultura culpam-se mutuamente. O líder da oposição acusa o primeiro ministro com base em rumores. Não existe comissão de inquérito independente. O povo assiste a isto tudo impávido e sereno. 
Perante isto, não percebo como é que não houve um levantamento popular no funeral das vítimas onde, hipócritas políticos, compareceram com a maior cara de pau do mundo. 
Somos mesmo um país de brandos costumes. 
Como dizia o banqueiro: "Aí aguenta, aguenta."


                      --- As famosas conquistas de Abril ---

domingo, 25 de junho de 2017

Aí arde, arde...

Os hipócritas dos políticos, choram e dão abraços em frente das câmaras mas, depois, permitem isto:




Fotos tiradas em Arouca, ontem. 

Se alguém se lembra de deitar um cabeça vermelha aqui, virão de novo: lamentos, fotos, votos de pesar, dias de luto, estudos, programas de televisão, notícias de jornal, pessoas a beber leite, directos, jornalistas com corpos por levantar, funerais, palmas (flores e batimentos de mãos), choros, carros dos bombeiros ardidos, ambulâncias, feridos graves e ligeiros, mortos, imóveis destruídos, animais carbonizados, aviões de Espanha, Comissão Europeia, donativos, Hiperatividade em Marcelo... para o ano está tudo igual. Haja paciência!

quinta-feira, 22 de junho de 2017

Assassinato Colectivo da Infânica

"Eles (crianças e jovens) não suportam a sobrecarga. Deveria haver um maior controlo do tempo que as crianças passam no telemóvel. Até aos 7 anos de idade as crianças não deveriam usar o telemóvel. A partir dessa idade, apenas meia hora por dia. Aos doze anos uma hora de manhã e uma hora à tarde. O telemóvel vicia como drogas duras (já conhecia o conceito). Se tirarmos o telemóvel a um adolescente dois ou três dias, irá aparecer o síndrome de abstinência tal e qual alguém que usa cocaína: irritabilidade, frustração, humor depressivo, insónia e intolerância às dificuldades."

Augusto Cury, Prova Oral

Segundo esta perspectiva, dá imenso trabalho não "assassinar" emocionalmente um criança. Quando chegam à primária são diagnosticados com hiperatividade e encharcados de Ritalina. Apresentam excesso de SmartPhones, de birras e de auto-crescimento. Falta de amor, natureza, atenção, joelhos arranhados e carinho!

quarta-feira, 21 de junho de 2017

A propósito do exame de Português!

Segredo que é segredo não o contes a ninguém:
Amigo tem outro amigo, outro amigo, amigo tem. 


"Ó malta, falei com uma amiga minha cuja explicadora é presidente do sindicato de professores, uma comuna, e diz que ela precisa mesmo, mesmo, mesmo e só de estudar Alberto Caeiro e contos e poesia do século XX. Ela sabe todos os anos o que sai e este ano inclusive. E pediu para ela treinar também uma composição sobre a importância da memória". 

Zimbábue 1970?

"O Centro de Saúde fechado. Fomos a correr a casa de uma funcionária pedir para abrir o Centro de Saúde. Um dos bombeiros pedia para lhe darem uma injecção para ele morrer, tais eram as dores. Então, mobiliza-mo-nos e tivemos enfermeiras, uma médica, um médico que estava cá… e foi assim que tomámos quase de assalto o Centro de Saúde. Tentamos socorrer, mas é evidente: os armários estavam fechados, não havia medicação para as dores, não havia as mínimas condições. Estas coisas não podem acontecer."

Ana Paula Neves, Vice-Presidente da Câmara Municipal de Castanheira de Pêra
Portugal 2017

--- As famosas conquistas de Abril ---

A bota e a perdigota

Na sua tão ajuizada perfídia, consta que Agustina Bessa-Luís disse certa vez que Manuel Alegre era "o maior dos nossos poetas assim-assim", e disse então tudo o que havia a dizer sobre a atitude com que o fóssil de Abril foi persistindo, à margem de qualquer juízo crítico mais lúcido e severo.

SOL

"Em declarações ao DN, Manuel Alegre afirmou: “É natural que me atribuam este prémio. Até podia ter sido mais cedo”."

Observador





Para ti (Parte 2)

1 - Ninguém muda ninguém; 
2 - Aprende a celebrar os acertos, mais do que apontar as falhas; 
3 - O casamento deve ter 70% de comédia e 30% de drama; 

Augusto Cury, Prova Oral

O mestre da Ironia - Alberto Gonçalves

Aos Césares o que é dos Césares


Por azar, o cepticismo de alguns acha a dádiva uma exibição de “cunhas” e descaramento, e coloca os parentes de Carlos literalmente na lama.

O país não cessa de arranjar novos motivos de orgulho. Há dias, houve a atribuição do Camões a Manuel Alegre, apenas o 13º compatriota distinguido pelo importante prémio. Ontem, houve a saída oficial do PDE, triunfo inegável de Passos Coe…, perdão, António Costa. Pelo meio, aprendemos que uma sobrinha de Carlos César foi contratada pela câmara de Lisboa.

Inês César, 25 anos, socióloga, é a mais recente aquisição da empresa municipal Gebalis, que a contratou à junta de freguesia de Alcântara, onde a jovem dera nas vistas na temporada 2016/17. O facto de ambas as instituições serem socialistas apenas prova a atenção que o PS dedica à formação e ao desenvolvimento de valores emergentes. O parentesco da dra. Inês com o presidente do partido apenas prova que o contributo dos Césares para o progresso nacional está longe de se esgotar.

Luísa, mulher de Carlos e reformada da coordenação dos Palácios da Presidência (uma coisa relevantíssima lá dos Açores, suponho), dispôs-se – sem concurso público que a senhora não é de perder tempo – a abdicar do sossego para coordenar a “estrutura de missão” para a criação da Casa da Autonomia (outra coisa lá dos Açores, nascida por proposta da coordenação dos Palácios da Presidência). Francisco César, filho de Carlos e de Luísa, é deputado regional, eleito pela primeira vez em lista encabeçada pelo pai, que lhe elogia, naturalmente babado, a “militância cívica” e a “sensibilidade”. Rafaela, mulher de Francisco e nora de Carlos e de Luísa, é chefe de gabinete da secretária regional adjunta para os Assuntos da Presidência, posto cuja enganadora insignificância não a impede de auferir justíssimos três mil e setecentos euros mensais. Horácio, irmão de Carlos, cunhado de Luísa e tio de Francisco, também saiu da reforma, após carreira incansável ao serviço da comunidade, para ser adjunto no falecido gabinete de João Soares. Patrocínia, mulher de Horácio e cunhada de Carlos e de Luísa, é assessora do Grupo Parlamentar do PS e brilha em simultâneo na junta de freguesia do Lumiar. E agora é Inês, sobrinha de Carlos, filha de Horácio e de Patrocínia e prima de Francisco, a despontar para o espírito missionário que abençoou aqueles genes. Antes, já existira o avô de Carlos (e bisavô de Francisco, etc.), que este confessou à “Sábado” ter sido presidente de junta, além do bisavô e do tio-bisavô de Carlos, dirigentes do Partido Socialista de Antero de Quental. Isto que se saiba, dado que a modéstia dos virtuosos (ou a falta de espaço) é capaz de obstar à divulgação de todos os casos.

Quantas famílias obedecem a tão rígidos padrões? Na minha, por exemplo, cada um fez pela vida onde calhou. É possível que o meu tio-bisavô fosse padeiro e eu, Deus me valha, detesto bolo-rei. Por falar em rei, é admirável que um clã assim insuflado de ética republicana apresente práticas parecidíssimas com as monárquicas. E é evidente que um clã assim predestinado constitui uma dádiva para qualquer nação. Por azar, o cepticismo de alguns acha a dádiva uma exibição de “cunhas” e descaramento, e coloca os parentes de Carlos literalmente na lama. Se dependesse de gente dessa, alimentada em exclusivo pela inveja, Portugal não iria a lado nenhum, ao contrário dos lados a que vai com gente do gabarito dos Césares.

Como não quero acusações de parcialidade, concedo um exercício. Imagine-se, por absurdo, que os familiares de Carlos não eram profissionais altamente competentes, vultos ímpares do municipalismo ou referências no mundo das coordenações regionais. Imagine-se, em suma, que não seriam os melhores nas funções que em boa hora acederam a desempenhar. Mesmo essa hipótese (absurda, repito) não roubaria um pingo de legitimidade às nomeações em causa e ao papel de Carlos nelas.

Explico porquê. Quem acompanha com zelo a evolução do pensamento filosófico de Carlos, encontra três preocupações centrais. Em Maio de 2008, ainda nas ilhas, Carlos negava o aumento local do desemprego. Em Maio de 2012, celebrava a contenção do desemprego que afinal aumentara nos anos anteriores. Em Agosto de 2015, já transladado para o “continente”, chorava os 250 mil empregos que o país perdera em quatro anos de “neoliberalismo”. Em Fevereiro de 2017, festejava a diminuição diária de 250 desempregados por obra e graça do governo de esquerda. E por aí fora. Constata-se, pois, que o desemprego é a primeira preocupação de Carlos. A segunda é combatê-lo. A terceira é iniciar o combate junto dos seus.

Se a consciência social e o amor à família configuram nepotismo, vou ali e não volto. Não quero viver numa sociedade subjugada à má-fé, que, ao invés de agradecer a oportunidade, se irrita por patrocinar uma família notável. O que vale é que os noticiários ligaram pouco ao assunto e preferiram concentrar-se nos – alerta para chavão – verdadeiros problemas dos portugueses. Os quais, a acreditar nos noticiários, não são nenhuns.

Alberto Gonçalves, Observador


--- As famosas conquistas de Abril ---

Em que ficamos?

Incêndio teve origem criminosa, diz presidente da Liga dos Bombeiros

O presidente da Liga dos Bombeiros Jaime Marta Soares acredita que não foi a trovoada que provocou o grande incêndio de Pedrogão Grande e até que lhe provem o contrário está convencido que o fogo teve origem criminosa. As afirmações foram feitas no Fórum da TSF, durante esta manhã de quarta-feira.

"O incêndio já estava a decorrer há cerca de duas horas quando se desenvolveu o problema com raios que provocaram um conjunto de ignições a acrescer efectivamente aquele incêndio que já era de uma violência extraordinária", afirmou Jaime Marta Soares.

Eu tenho para mim que o incêndio teve origem em mão criminosa.

Público

terça-feira, 20 de junho de 2017

Variações em amor menor

O amor não vincula ninguém,
não se pede, não se exige:
ninguém é obrigado a amar.
A razão encolhe os ombros,
pensa sobre o amor,
trata-o como um irmão mais novo,
irresponsável, imaturo.
O amor não é assim, tão altruísta.
Por incrível que pareça
não sente pela razão,
não a ama, não lhe diz nada,
é-lhe indiferente,
passa-lhe ao lado.
Paradoxalmente, nariz empinado,
é mais objetivo, mais orgulhoso,
mais cheio de si (amor próprio).
Ama. Monopoliza. Arde. Sufoca.
Pragmático,
faz o que tem a fazer.
E fá-lo bem... e sabe bem...
E é bom, muito bom.

Hiprocrisia 3


Hiprocisia 2

"No setor dos media, as televisões também estão a juntar-se à onda de solidariedade. É o caso da RTP que lançou uma linha solidária a favor das vítimas do incêndio de Pedrógão Grande, com o mote “Ninguém é indiferente a uma tragédia desta dimensão”.

“Ajude através do 760 200 600 (0,60€ + IVA). 0,50€ do valor da sua chamada revertem para as vítimas do incêndio de Pedrógão Grande”, diz o canal público na sua página de Internet."

Sapo Notícias

0,74 - 0,50 = 0,24

Quem ganha 0,24 cêntimos? 

Hipocrisia 1


domingo, 18 de junho de 2017

Para ti... (Parte 1)

"Uma mulher chegou para mim, Dr. Cury o meu marido é muito stressado, pense num homem complicado. Se você que é psiquiatra, ficar 5 minutos com ele, você vai ter um ataque de ansiedade. Nesse momento, aproximei-me dela, olhei-a nos olhos e disse: se você escolheu um homem tão complicado para viver, você não deve ser tão fácil". 

Augusto Cury, Prova Oral

Sinto muito

Talvez com esta enorme tragédia se pense de vez numa solução para os incêndios. Estes políticos em vez de roubarem tanto, podiam, de uma vez por todas, fazer alguma coisa pelas populações e pelo país e legislar em conformidade: limpeza de matas, penas pesadas para incendiários, criação de centros de energia limpa com resíduos da floresta. 
Todos os anos, se o S. Pedro não ajuda, andamos com o coração nas mãos. Mas como andam entretidos em vigarices, não têm tempo para cuidar das populações...
A emoção põe-me a falar de "palito na boca" mas foda-se: 61 mortos!


sábado, 17 de junho de 2017

A festa da vida!

Dar a César o que é de César

A inveja portuguesa já anda por aí a criticar os Césares. Explico melhor. Carlos, chefe do clã, é presidente do PS e líder do grupo parlamentar respectivo. A sobrinha, segundo se lê, saltou de uma junta de freguesia socialista (em Lisboa) para uma empresa camarária (em Lisboa). Depois há a mulher, o filho, a nora, o irmão, o cão e o periquito - todos na administração pública ou com cargos públicos. Eu só pergunto: qual é o problema?

João Pereira Coutinho, Revista Sábado


-- As famosas conquistas de Abril --

sexta-feira, 16 de junho de 2017

Síndrome do Pensamento Acelerado

"Pensar de mais sem gerenciamento é uma bomba contra a saúde emocional. Uma criança de 7 anos de idade, actualmente, tem mais informações que o Imperador Romano tinha no auge de Roma. O Jornal New Your Times tem mais informações num único exemplar do que um ser humano médio adquiria durante toda a sua vida. 
Os sintomas são: acordar cansado; dores de cabeça e dores musculares; sofrimento por antecipação; dificuldade de conviver com pessoas lentas ou de ter paciência nos focos de tensão."

Augusto Cury, Prova Oral

Vinicius de Moraes

De tudo ao meu amor serei atento
Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto
Que mesmo em face do maior encanto
Dele se encante mais meu pensamento.

Quero vivê-lo em cada vão momento
E em seu louvor hei de espalhar meu canto
E rir meu riso e derramar meu pranto
Ao seu pesar ou seu contentamento

E assim, quando mais tarde me procure
Quem sabe a morte, angústia de quem vive
Quem sabe a solidão, fim de quem ama

Eu possa me dizer do amor (que tive):
Que não seja imortal, posto que é chama
Mas que seja infinito enquanto dure.

quinta-feira, 15 de junho de 2017

Bem Esgalhado!

Já tinha mencionado aqui o meu fascínio completo pelos comentários às notícias nos diferentes órgãos de comunicação social. E ainda dizem que não se aprende nada!

Mais uma pérola por João Lima. Bem esgalhado!


"Como profissional da punheta desde a década de 70, verifico que cada vez mais é difícil encontrar profissionais, colegas meus, nesta actividade de punheteiro. Antigamente, qualquer coisa nua na Gina ou Tina, era de imediato cinco contra um.. ninguém se queixava. Hoje, reparo que os profissionais da punheta que comentam está notícia, são esquisitos, nunca estão satisfeitos, ou é por causa da idade, estão descaídas ou da cara que não é bonita. Se vocês tivessem vivido o período das cavernas numa escola secundária da decada de 70, onde qualquer elefante era inspirador para uma punheta, olhavam para os dias de hoje como um período espetacular, onde em cada página se calça novamente as luvas para mais um esgalhar."

João Lima

segunda-feira, 12 de junho de 2017

No tempo do Salazar era preciso licença para ter um isqueiro

Uma queixa contra um animador de rua, que tocava junto ao banco BPI, em plena Avenida Central, em Braga, provocou, na tarde de ontem, um grande alarido, que obrigou à intervenção da PSP para controlar os ânimos de um aglomerado de cerca de 400 pessoas, que estavam a favor da atividade do homem.

Segundo fonte da Polícia Municipal de Braga, comerciantes e trabalhadores dos escritórios todos os dias se "têm queixado" da música alta que é tocada por aquele artista e, ontem, "após mais uma queixa, duas fiscais da nossa Polícia foram ter com o homem para desligar o amplificador que não tem licença para utilizar".

Jornal de Notícias


--- As famosas conquistas de Abril! ---




Presunção e água benta

"Sou um Marcelo em ponto pequeno."

Valentim Loureiro, Jornal de Notícias

sábado, 10 de junho de 2017

Marketing Olfactivo

"Muitos estudos afirmam que um local bem aromatizado, e cujo odor seja coerente com o negócio, tem tudo para vender mais, porque aumenta a intenção de compra de potenciais clientes."

Revista Sábado

Nunca tinha pensado nisto mas, vistas bem as coisas, se as casas de alterne levam isto a sério...

:)

quarta-feira, 7 de junho de 2017

Minas Canicas

O conceito não é novo e não é meu. Apesar disso, é um conceito com o qual concordo inteiramente e que retrata a civilização de um povo e a sua cultura.
Toda a gente sabe que as cidades não foram construídas para a bicharada. Quando um qualquer animal selvagem resolve "invadir" o espaço que o homem lhe roubou é considerado um intruso, como se o bicho soubesse distinguir territórios amigáveis de territórios não amigáveis.
Posto isto, suponho que "animalada" de estimação, embora mais adaptada do que os descritos atrás, também apresente algumas inaptidões à vida citadina, como se verificou há uns tempos quando uma menina foi violentamente atacada por um rottweiler num parque infantil.
Desta forma, os comuns mortais animais racionais têm duas opções: ou - como eu - optam por não ter animais de estimação porque não têm as condições necessárias para os ter ou, tendo-os, proporcionam-lhes as mínimas condições de digna sobrevivência, minimizando o seu impacto no meio envolvente. Tirá-los de casa diariamente é só uma dessas condições. Limpar o seu cocó quando saem de casa é outra. E não é só o cocó dos passeios porque muitos donos incentivam os bichos a aliviarem-se em jardins só para disfarçar... Disfarces que podem trazer alguns perigos às crianças, ávidas de brincadeiras nos poucos espaços verdes das cidades. 
Alguns donos de animais de estimação ainda não perceberam que os animais e os seus dejectos são propriedade dos seus donos, ou seja, deles mesmos. Enfatizo esta ideia, reforçando-a, porque há muita gente que faz de conta... Aliás, no nosso país, nos mais diversos assuntos, há muita gente que faz de conta.
Analisando os passeios das cidades, concluo que fico sem saber quem são os bichos?




quinta-feira, 1 de junho de 2017

Com respeito ao respeito, não há respeito nenhum...

"Estiveram no poder durante décadas e ficaram conhecidos como dinossauros do poder local. Alguns estão de regresso nas próximas eleições autárquicas. Uns apostam em reconquistar a câmara que já governaram, outros tentam a sorte noutros concelhos. Todos querem recuperar o poder. Isaltino quer voltar a colocar Oeiras no top. Narciso Miranda quer “recolocar Matosinhos no mapa” e Valentim Loureiro garante que está a ser pressionado para avançar. Vamos voltar a ouvir falar deles nos próximos meses." 

Jornal i

Apesar da lei permitir, o seu espírito não é este... Será que estes senhores não têm mais nada para fazer na vida? Há gente que está mesmo agarrada ao poder! Espero que o povo lhes mostre que precisa de novos rostos, com novas ideias, com verdadeira juventude... pessoas que não tenham vícios, nem estejam ligadas aos mais variados escândalos pessoais e profissionais. 
Qualquer dia, até o filósofo grego - depois de absolvido com indemnização - se candidata a Presidente da República... e ganha.