sexta-feira, 30 de setembro de 2016

Porque sim!

"Deixem o porque sim em paz", podia ser um bonito manifesto de um qualquer partido ou movimento popular, tantas as vezes que a expressão é desvalorizada, despersonalizada, retirada do seu contexto e conotada como erro semântico.
Por que gostas disto? Porque sim. Simples, directo, infantil, puro.
É constrangedor ouvir sempre uma voz do lado a dizer "Porque sim não é resposta", tens de dar uma razão, um motivo, formular uma ideia. Mais constrangedor é fazerem isto com as crianças, obrigando-as a adjectivar sentimentos, a verbalizar sensações. 
Se pensarmos um pouco, quantas vezes gostamos de uma coisa ou pessoa ou lugar ou... só: porque sim!, sem conseguirmos explicar esse gosto, essa fixação, essa atracção. 
Paradoxalmente, muitas vezes sabemos até que esse gosto, essa fixação, essa pessoa, esse lugar nos faz mal, mas gostamos na mesma, lá está: porque sim!, porque não!
Para os puristas da língua e para os linguistas de fim-de-semana deixo um apelo: deixem a expressão em paz porque ela é, no fundo, o retrato da complexidade do ser humano.
É mágico que essa complexidade seja retratada numa expressão tão simples e tão nossa. só: porque sim!


quinta-feira, 29 de setembro de 2016

Divertidamente

"Eu acredito na sorte: de que outra maneira podemos explicar o sucesso daqueles de quem não gostamos?"

Jean Cocteau

segunda-feira, 26 de setembro de 2016

Do bom!

"Uma garrafa de vinho meio vazia também está meio cheia/mas uma meia mentira não será nunca uma meia verdade."

Jean Cocteau

A culpa morreu solteira?

"A privacidade começa a ser, cada vez mais, um sinal exterior de riqueza..."

Raquel Varela, O último apaga a luz, RTP3



?

sábado, 24 de setembro de 2016

Ui!

"O problema não é escolher uma mulher. O problema é você desistir de todas as outras."

Todas as mulheres do mundo, Domingos Oliveira

sexta-feira, 23 de setembro de 2016

quinta-feira, 22 de setembro de 2016

Madness

" (...) a loucura, quando dá a um grande número de pessoas, chama-se sociedade contemporânea."

In "Jesus Cristo Bebia Cerveja", Afonso Cruz

terça-feira, 20 de setembro de 2016

Melhor que a formulação original...

"Lembra-te de que quando Deus fecha uma porta abre-nos um livro."

In "Jesus Cristo Bebia Cerveja", Afonso Cruz

segunda-feira, 19 de setembro de 2016

Excitare

De manhã acordo e pareço mudo,
com falta de sono, tenho falta de tudo:
Os vidros da alma estão todos partidos,
A luz da manhã fere-me os ouvidos,
A noite foi longa ainda ouço gemidos!

Saio porta fora e bebo um café,
Sento-me no palco do Cais do Sodré:
Recebo o ardina com notícias más,
O mundo em guerra e eu sem a paz,
O azul é preto, o verde é lilás!

Depois do cigarro chega a melodia,
De Chopin ou Schubert parece outro dia:
A minha cabeça já não é passado,
A raiva do mundo foi para outro lado,
Saio e pago a conta com o olhar transformado.

sábado, 17 de setembro de 2016

Copo cheio ou copo vazio?

George Orwell disse um dia que pertencia à parte alta da classe média baixa.

Curiosamente eu também pertenço.

sexta-feira, 16 de setembro de 2016

Sinais dos tempos...

Quando estás no elevador com pessoas desconhecidas e sentes aquele incomodozinho...

pegas no telemóvel e acedes a uma rede social!

quarta-feira, 14 de setembro de 2016

Não é preciso ir ao oftalmologista!

"As palavras só têm sentido se nos ajudam a ver o mundo melhor. Aprendemos palavras para melhorar os olhos."

Rubem Alves 

No fundo as palavras são os óculos da mente. Ajudam-nos a compreender o mundo. Formam o pensamento das crianças. Aguçam o engenho, a criatividade... São um pouco de nós, fazem parte de nós. 
Quantas mais palavras conhecemos, melhor conhecemos o mundo que nos rodeia e melhor o pensamos.

Digo eu que não percebo nada disto!




segunda-feira, 12 de setembro de 2016

Perturbador!

"A morte não é o contrário à vida, a morte é o contrário ao nascimento. A vida não tem contrário".

Deepak Chopra

sábado, 10 de setembro de 2016

Velha

Vi uma velha, cheia de velha,
Cara de rugas, olhos de menina.
Bege carranca, branco gadelha,
fedor a preto e a naftalina.

Já fora nova, cheia de nova,
fogo no rosto, luz no olhar.
Agora dormia, sentada na cova,
Caronte virá para a abraçar.

O espectro da velha, fez-me pensar,
tirou-me a paz, roubou-me a calma.
Tudo apodrece, menos o olhar,
porque ele é o espelho da alma!



Pergunta da semana

Por que é que os extraterrestres/OVNI's aparecem sempre a bêbados/malucos e nunca a doutorados em Astronomia?


quinta-feira, 8 de setembro de 2016

Permitam-me que substitua Caridade por Amor!


O amor é paciente, o amor é benigno; não é invejoso, não é altivo nem orgulhoso; não é inconveniente, não procura o próprio interesse; não se irrita, não guarda ressentimento; não se alegra com a injustiça, mas alegra-se com a verdade; tudo desculpa, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.
O dom da profecia acabará, o dom das línguas há-de cessar, a ciência desaparecerá; mas o amor não acaba nunca.

1ª Carta de S. Paulo aos Coríntios (Adap.)


quarta-feira, 7 de setembro de 2016

Bora lá jogar "Azar do Caralho!"


Da minha Infância

Cortei-me num dedo, 
Fiquei a sangrar.
Mas não tive medo,
Deixei-me tratar.

Com um penso lavável, 
Que a mãe aplicou.
O sangue parou,
Não é formidável?

Livro Primeiro Ciclo, Segunda Classe, 1988

segunda-feira, 5 de setembro de 2016

P(ó)S

Por-que tenho o destino na mão,
Por-que caio espancado no chão?
Por-que sou um coração a bater,
Por-que a alma me está a doer?

Por-que uso mal a liberdade,
Por-que valorizo a palavra: saudade?
Por-que tenho um cérebro deste tamanho,
E um esqueleto de barro castanho?

Por-que choro sem sentido e procuro,
A verdade na mentira e no escuro?
Por-que penso que sou mais do que pó,
Por-que procuro gente quando quero estar só?

Por-que vou ao abismo buscar o céu,
Por-que assumo a culpa e me torno réu?
Por-que transpiro dor e não tenho paz,
Por-que sou um valete e me acho um Ás?

No passado nunca fui importante.
No futuro serei um mísero instante?

PP


sábado, 3 de setembro de 2016

Infelizmente, tenho razão!

Aqui

"O que se passa neste infeliz País é que há demasiadas coisas a puxar para "baixo" ou a travar o caminho para cima. E como se passa sempre nestes casos não faltam pessoas, muitas por interesse ou elitismo – isso sim verdadeiro elitismo –, a ajudar a manter o estado de coisas. Aqui, como em muitas outras matérias, há também uma "luta de classes" latente, que encontra um "ópio" (e uso deliberadamente uma das expressões mais viciadas que há) neste embrutecimento colectivo."

José Pacheco Pereira, A Lagartixa e o Jacaré, Revista Sábado.

Bom fim-de-semana!


Não sou o criador de nenhuma das frases, mas concordo.

Quem inventou a frase: "dormir como um bebé", nunca teve filhos.

sexta-feira, 2 de setembro de 2016

Será?

"Lembre sempre que o mais importante num bom casamento não é a felicidade e sim a estabilidade."

In "O amor em Tempos de Cólera", Gabriel Garcia Márquez